Debates e ações buscam melhorias ambientais e culturais para a região do Vale do Sol

Em outubro de 2015 e abril de 2016, realizamos duas edições do programa C.A.S.A. em pauta. A primeira trouxe a mobilidade urbana e ocupação de espaços públicos como temas centrais. 
Como se deslocar pelas cidades? Como ocupar e se apropriar do espaço urbano? De que forma a arte e a arquitetura se relacionam com o uso do espaço público? Essas foram algumas questões que motivaram a série de eventos realizados no mês de outubro. Perguntas para para serem debatidas, revisitadas e reconstruídas a partir do diálogo entre o público e os convidados.

Maior liberdade de locomoção para ampliação da rede de relações culturais e ambientais

Os bairros Vale do Sol e Jardim Canadá fazem parte de uma região de grande importância ambiental, histórica e cultural. Nos últimos 10 anos, muitos artistas e grupos deixaram Belo Horizonte e deslocaram-se para as regiões de Nova Lima e Brumadinho, onde ocuparam galpões e outros espaços que funcionam como ateliês, teatros, centros de arte e de tecnologia, residências artísticas, salas de ensaio e espaços de formação.

A grande confluência para os dois bairros propiciou a criação de uma rede de artistas e ambientalistas chamada Caminho das Artes. O interesse do grupo é buscar melhorias para a região, sobretudo no que tange às questões ambientais e culturais, que possibilite uma maior liberdade de locomoção e ampliação da rede de relações culturais e ambientais desejada por moradores, trabalhadores e artistas que habitam ou trabalham nos dois bairros. Confira no evento a programação proposta: clique aqui.

Na sequência, o C.A.S.A. abriu suas portas para a comunidade. No dia 10, a espaço tornou-se local de confraternização e compartilhamento de experiências, através da arte e da cultura, buscando novas formas de se relacionar com o espaço urbano, com a dinâmica social, com os projetos culturais e com a ecologia. Até um passeio de bicicletas pela BR 040 foi realizado em prol da construção de uma ciclovia.

 

out-_-materia-o-tempo-sabado-em-c-a-s-a-_11-10
Quais são as possibilidades de ocupação ou apropriação do espaço comum?

Outra temática abordada foi às formas de ocupação e apropriação do espaço urbano, as potencialidades e necessidades do território e as possibilidades de pequenas ações e transformações espaciais, como estímulos ao pertencimento, presença e permanência das pessoas. A cultura e as ações ambientais no Vale do Sol foram parte da pauta assim como as políticas públicas municipais que possam adensar e potencializar o uso e a fruição dos espaços e sua relação com a cultura. O Instituto Cresce e o Coletivo Micrópolis foram os convidados a falar sobre o tema (evento).

Cultura no Vale do Sol: o contexto da regionalização cultural e seus desafios

O bairro Vale do Sol atravessa patrimônios naturais, históricos e culturais. Nos últimos dez anos muitos artistas e grupos deixaram Belo Horizonte e deslocaram-se para as regiões de Nova Lima e Brumadinho onde ocuparam galpões e outros espaços que funcionam como ateliês, teatros, centros de arte e de tecnologia, residências artísticas, salas de ensaio e espaços de formação. A grande confluência para o bairro e seu entorno propiciou a criação de uma rede de artistas e ambientalistas interessada em buscar melhorias para a região – a Caminho das Artes, sobretudo no que tange às questões ambientais e culturais. Contexto que motivou, e motiva, os encontros promovidos pelo C.A.S.A. em pauta.